A situação pandémica que se viveu nos dois últimos anos letivos trouxe consequências desastrosas a todos os níveis.

Os períodos de confinamento geral, o impedimento de frequentar atividades no exterior do estabelecimento de ensino, por receio ou falta de autorização e/ou transporte afastou em definitivo a nossa comunidade escolar da cultura e das artes.

Por isso, é com grande expectativa que esperamos um novo ano letivo e, acima de tudo, o retorno a uma normalidade em que a interação entre as pessoas e a partilha de propostas e espaços possibilitem uma vivência e uma participação plenas nas atividades que pensámos para o primeiro PCE do AE Aurélia de Sousa. O projeto agora apresentado, desenhado durante a interrupção pandémica, poderá ser uma oportunidade para repensar a educação formal e introduzir na escola mudanças que tenham o poder de cativar e motivar os alunos para as aprendizagens.

O DESAFIARTE pretende sensibilizar a comunidade educativa com vista à reformulação do modo como as artes e a cultura são percecionadas no ensino básico e secundário, no sentido de estas poderem contribuir de forma mais efetiva para o desenvolvimento dos atuais alunos e futuros cidadãos. Pretende também que a educação e os seus agentes se aproximem, de forma gradual, de um entendimento segundo o qual a arte e a cultura são um espaço pedagógico fundamental para a didática transdisciplinar, para o estímulo da criatividade e para o desenvolvimento das competências críticas dos alunos.

Deverão ser valorizadas e mobilizadas dinâmicas capazes de incentivar a participação de toda a população escolar com vista a uma maior familiarização com as artes e a cultura. Neste sentido, deverão ser fomentadas formas de democratizar as práticas culturais e contrariar a discriminação/seletividade social (associadas aos elevados níveis sociais) no acesso à cultura.

Para este plano PCE, pelo seu caráter experimental, não deverá ser privilegiada a quantidade de iniciativas, mas sim a sua qualidade. A filosofia subjacente, apelando aos sentidos, à fruição e à criação, pretende lançar sementes para outras metodologias e dinâmicas.
As experiências/projetos transdisciplinares bem-sucedidos, desenvolvidos em todos os níveis de ensino, poderão perspetivar uma alteração das práticas, partindo da vontade de querer mais.


PARTICIPAR

No presente ano letivo, 2021/2022, algumas turmas do Agrupamento estão a desenvolver uma ou mais atividades no âmbito do Projeto Cultural de Escola (PCE).
De acordo com as premissas do projeto, as ações baseiam-se na interdisciplinaridade e articulam-se com a área da Cidadania e Desenvolvimento, numa reflexão permanente e transversal.
Os projetos foram objeto de planificação e serão registados em vários suportes e posteriormente divulgados à comunidade educativa (processos intermédios e produto final).
No que reporta às Medidas 1 e 2 abaixo indicadas:

  • a primeira diz respeito a ações localizadas no exterior das escolas e à consequente exploração dessas saídas.
  • a segunda diz respeito ao desenvolvimento de ações de acolhimento na própria escola.

Medida 1 – DESVIO: SAIR PARA ENTRAR

  • Selecionar uma saída: espetáculo de teatro/ dança/ música; exposição/ museu/ monumento ou sítio de património cultural ou natural; oficina de artesão; uma exibição de cinema; outras atividades culturais…
  • A saída deverá ser devidamente preparada e articulada com conteúdos curriculares de diferentes disciplinas, evidenciando o caráter transdisciplinar das artes e do património
  • De modo a potenciar o seu caráter pedagógico, a saída deverá prever a documentação e divulgação dos processos envolvidos na sua concretização (elaboração de entrevistas, registos escritos/fotográficos, guiões, produção de vídeos, elaboração de livros ou outros materiais, etc.)

Medida 2 “TEMPO” SEMANAL- Em Aberto

Programa de atividades na escola:

  • Espetáculos, oficinas, debates, projetos temáticos “sem turma”, sessões com especialistas, escritores, atores, artistas, artesãos.
  • As diferentes manifestações artísticas e patrimoniais, acolhidas na escola ou em trabalho de campo (no equipamento cultural ou noutros espaços), deverão ser devidamente preparadas e articuladas com os conteúdos curriculares das diferentes disciplinas.
  • Na escola, poderão ser transformados os ambientes de trabalho, redesenhando-se a sala de aula ou outros espaços escolares.