Agrupamento de Escolas Aurélia de Sousa
  •   (+351) 225 021 773

Biblioteca/Centro de Recursos Educativos

  • Biblioteca ESAS
  • novembro 2020

Poema das coisas

Amo o espaço e o lugar, e as coisas que não falam.
O estar ali, o ser de certo modo,
o saber-se como é, onde é que está e como,
o aguardar sem pressa, e atender-nos
da forma necessária.

Serenas em si mesmas, sempre iguais a si próprias,
esperam as coisas que o desespero as busque.

Abre-se a porta e o próprio ar nos fala.
As cortinas de rede, exactamente aquelas,
a cadeira onde a memória está sentada,
a mesa, o copo, a chávena, o relógio,
o móvel onde alguém permanece encostado
sem volume e sem tempo,
nós próprios, quando os olhos indignados
nas pálpebras se encobrem.

Põe-se a pedra na mão, e a pedra pesa,
pesa connosco, forma um corpo inteiro
Fecha-se a mão, e a mão toma-lhe a forma,
conhece a pedra, entende-lhe o feitio,
sente-a macia ou áspera, e sabe em que lugares.
Abre-se a mão, e a mesma pedra avulta.

Se fosse o amor dos homens
quando se abrisse a mão já lá não estava.

Gedeão, António - Obra Poética.
Lisboa, Ed. João Sá da Costa, 2001. p. 163


  • Biblioteca ESAS
  • novembro 2020

Poema das folhas secas de plátano

As folhas dos plátanos desprendem-se e lançam-se na aventura do espaço,
e os olhos de uma pobre criatura
comovidos as seguem.

São belas as folhas dos plátanos
quando caem, nas tardes de Novembro
contra o fundo de um céu desgrenhado e sangrento.
Ondulam como os braços da preguiça
no indolente bocejo.
Sobem e descem, baloiçam-se e repousam,
traçam erres e esses, ciclóides e volutas,
no espaço escrevem com o pecíolo breve,
numa caligrafia requintada,
o nome que se pensa,
e seguem e regressam,
dedilhando em compassos sonolentos
a música outonal do entardecer.

São belas as folhas dos plátanos espalhadas no chão.
Eram verdes e lisas no apogeu
da sua juventude em clorofila,
mas agora, no outono de si mesmas,
o velho citoplasma, queimado e exausto pela luz do Sol,
deixou-se trespassar por afiados ácidos.
A verde clorofila, perdido o seu magnésio,
vestiu-se de burel,
de um tom que não é cor,
nem se sabe dizer que nome tenha,
a não ser o seu próprio,
folha seca de plátano.
A secura do Sol causticou-a de rugas,
um castanho mais denso acentuou-lhe os nervos,
e esta real e pobre criatura
vendo o solo coberto de folhas outonais
medita no malogro das coisas que a rodeiam:
dá-lhes o tom a ausência de magnésio;
os olhos, a beleza.

António Gedeão - Poemas Póstumos.
Lisboa: Edições João Sá da Costa, 2000


  • Biblioteca ESAS
  • novembro 2020

António Gedeão - o que sabes sobre ele?

Visita esta ligação e responde ao questionário!


  • Biblioteca ESAS
  • novembro 2020

Neste mês, o autor escolhido é António Gedeão, celebra-se no dia 24 de novembro, o Dia Nacional da Cultura Científica, assim daremos destaque à obra deste autor e aos livros sobre ciência.

A Biblioteca Nacional, por ocasião do centenário do Poeta, realizou uma exposição sobre Rómulo de Carvalho, António é o meu nome, Rómulo de Carvalho"

Os materiais da exposição estão disponíveis online, e podem ser consultados aqui.

Bibliotecas

Biblioteca ESAS

  • Horário:
        De 2ª a 6ª feira, das 9h00m às 16h30m
  • Coordenadora da BE/CRE:
        Helena Sampaio
  • Assistente operacional:
        Sónia Franco
  • Adenda ao Regulamento da Biblioteca
Ligações ESAS

Biblioteca EBAG

  • Horário:
        Em atualização
  • Coordenadora da BE/CRE:
        Manuela Melo
Ligações EBAG

Bibliotecas 1º ciclo

  • Horário:
        De 2ª a 6ª feira,
        das 9h00m às 12h00m e
        das 14h00m às 15h30m
  • Coordenadora da BE/CRE:
        Teresa Soares
Ligações 1º ciclo